Andreia Santana

(1991, Lisboa) vive e trabalha em Lisboa. Concluiu a licenciatura em Artes Plásticas na ESAD – Escola de Artes e Design de Caldas da Rainha e foi participante do Programa de Estudos Independentes em Artes Visuais da Maumaus em Lisboa. Desde 2013, tem participado em vários programas de residências artísticas, nomeadamente a Residency Unlimited, em Nova Iorque, com bolsa da Fundação Calouste Gulbenkian, Panal 360 em Buenos Aires, Mieszkanie Gepperta Residency Gallery em Varsóvia, Polónia e Gasworks – Triangle Network no Hangar, em Lisboa. Ganhou o Prémio NOVO BANCO Revelação em 2016 e o Prémio de Escultura D. Fernando I e, em 2019  foi nomeada para o Ducato Prize em Itália. Exibe regularmente o seu trabalho em Portugal e no estrangeiro, com destaque para as exposições: The Outcast Manufacturers na Galeria Filomena Soares, Lisboa (2018); História da Falta no Museu de Arte Contemporânea de Serralves, Porto (2017); 10 anos, 10 artistas, 10 comissões. Colecção António Cachola. Chiado 8, Lisboa (2018); 10000 Anos Depois Entre Vénus e Marte. Cur. João Laia. Galeria Municipal do Porto (2017); The Lobster Loop na MONITOR Gallery, Lisboa (2017); Cultivated Memory : Archaeologies of the Imagined. Peninsula Gallery. Nova Iorque; Pousio / Fallow (screening) – Fuso, MAAT – Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia, Lisboa (2016), entre outras. É representada pela Galeria Filomena Soares em Lisboa.